Entrevista Especial: Rodrigo Barba, baterista das bandas Canastra e Los Hermanos


O baterista Rodrigo Barba tem uma vasta experiência no rock nacional, em todos os sentidos, do mainstream até ao underground. Ele faz parte de duas bandas importantes do rock carioca, Los Hermanos e Canastra. E nessa entrevista especial ao Rock Pará, Barba entre em detalhes em assuntos ligados ao Los Hermanos e aos novos projetos musicais dele.

Como e quando você começou a se interessar pelo mundo do Rock’n’Roll?
Em casa e com meus pais. Sempre tive música dentro de casa, e foi lá que comecei a escutar e a me interessar por ela.

 

Como foram as tuas primeiras experiências tocando em bandas?

Com uns 12, 13 anos comecei a tocar bateria e a tocar com os amigos.

Nessa época, toquei pela primeira vez no colégio numa dessas apresentações de final de ano.

Como foi criada a banda Los Hermanos?

Começamos a tocar junto e a usar o nome Los Hermanos no ano de 97, antes disso já tocava com o Marcelo e o Rodrigo em outras bandas.


Existe alguma possibilidade da banda Los Hermanos voltar definitivamente?

Não sei. Depende de muitos fatores para isso acontecer. Eu gostaria, mas só com o tempo vamos ver o que vai acontecer.

 

Você já tocou aqui, em Belém, com Los Hermanos e também com a Canastra. Qual é a sua opinião em relação ao público e a música paraense? Quais bandas e artistas você conhece daqui?

Sempre que toquei por ai foi tudo lindo. Acho que não conheço nenhuma banda daí, e se conheço não sei que ela é daí. 🙂

 

 

 

Você também toca numa banda que faz cover do Los Hermanos. Você percebe o quanto a banda continua e continuará sendo importante para o Rock Nacional?

 

Para o rock nacional eu não sei, mas para mim ela foi muito importante. Gosto de tocar aquelas músicas e achei que com o disco Bloco do eu sozinho fazendo 10 anos esse ano seria um bom motivo para voltar a tocá-las.
Quais são os teus próximos projetos?
Estou tocando no Canastra desde 2008, devemos lançar ainda esse ano nosso terceiro disco. Ano passado gravei com o Me and The Plant e o disco deve sair por agora tb. Estou, além dessas duas bandas, tocando com o Ramirez (que tb está lançando o 3 disco, mas que eu não gravei), com a GO East Orkestar e com o projeto do Bloco.


Dead Fish em Belém e clássica entrevista com o vocalista Rodrigo Lima

Em 1996, o Dead Fish lançava o seu primeiro CD sob alcunha de ‘Sirva-se’. Na capa, um prato de aluminho vazio ilustrava o título do álbum. No play, quatorze faixas do mais puro hardcore melódico. O estilo, na época, começa a ganha força no Brasil. Até então, hardcore melódico não passava de uma cópia do que se fazia no exterior. O ‘CD do prato’ – como assim ficou conhecido o ‘Sirva-se’ – chamava a atenção não somente por apresen…tar letras em português, mas por começar a dá uma ‘cara’ ao melódico feito no Brasil. Porém, mesmo com a língua nativa, algumas coisas ainda não eram claras. A letra da faixa 9,‘Individualismo de massa’, mostrava-se ambígua: “Sou branco, sou preto, sou punk, sou benger, sou skate, eu sou rapper, sou tudo, sou underground”.

Foi preciso esperar vinte anos de carreira para a letra ter sentido. O Dead Fish, não só inaugurou o hardcore cantando em português, mas se tornou o principal representante do país no estilo mais rápido do Rock’n’Roll. Naturais de Vitória, Espírito Santo, os capixabas, em 2004 com o CD ‘Zero e Um’, cruzaram a difícil fronteira entre o independente e a grande mídia e conseguiram ser tudo: branco, preto, punk, headbenger, skate, rapper. Mas, ao contrário do que escreveram em 96, não se tornaram uma banda ‘individualista de massa’. As raízes do underground nunca foram esquecidas.

E esse foi segredo para a longevidade: souberam usufruir tudo de bom que o mainstrem podia oferecer e jogaram fora toda a parte ruim. O quase intocável mundo fechado do Hard core se rendeu a novas boas idéias. E ao longo da estrada, o preço de muitas escolhas pode ter sido tão ‘core’ quanto à tradução ao pé da letra do sufixo do estilo. Mas, se verso de uma das suas músicas diz que “há urgência em estar vivo é outra forma de pensar”, o que mais precisa ser respondido?

Até hoje, continuam fazendo um som rápido e viril sem abdicar da melódica nas letras mais inteligentes do underground nacional. Coisa que há vinte anos nenhum daqueles garotos, que só desejavam fazer um som e andar de skate, poderia imaginar que a brincadeira daria certo. E como deu.
Em 2009, lançaram ‘Contra Todos’, o sexto disco de estúdio. Nele o Dead Fish se apresenta em sua melhor forma. Com a saída de Hóspede, se tornaram um quarteto. Phellippe Fargnoli consegue tirar de letra o trabalho feito antes por duas guitarras. Alyand, no contrabaixo, e Marcão, bateria, dão forma a uma das cozinhas mais potente do hardcore brasileiro. Por último, Rodrigo Lima, nos vocais, segue verbalizando, como nunca, a avalanche sonora. Ouvir ‘Contra Todas’ é como ler um romance. Revigora todo o espírito jovem de quem ainda tem algo a dizer.

O prato da capa de 1996 continua de aluminho, mas agora não está mais vazio. Segue cheia de histórias, energias, turnês – inclusive uma na Europa – e respeito de todos que admiram quem faz hardcore de qualidade, seja melódico ou agressivo. Música para entreter, divertir e, acima de tudo, desabafar. E assim que, a vinte anos, o Dead Fish segue colocando em prática esse máxima. Ensinado como sobreviver no cenário independente sem abrir mão de suas escolhas.

Serviço: Aniversário de 15 anos da Davu-k Distribuidora com

DEAD FISH (ES) http://www.myspace.com/deadfishoficial
+ Sincera http://www.myspace.com/sincerarock
+ Escárnio http://www.myspace.com/escarniohc
Participação de Maurílio Fernandes (Switch Stance)

Local: Açai Biruta (Rua Siqueira Mendes, Próximo a Igreja da Sé, às margens da Baía do Guajará)
Hora: A partir das 18:00 hs
Data: 07/05/2011 (sábado)
Ingressos: R$ 20 (preço único antecipado)

Pontos de venda: Loja ForFun – Trav. São Pedro, 656 – Batista Campos, fone: (91)-3223-0042 (atrás do Shopping pátio Belém).

Clássica Entrevista com Rodrigo Lima: http://rockpara.blogspot.com/2010/02/entrevista-especial-rodrigo-lima.html


A banda de hardcore capixaba Dead Fish tem uma longa estrada no cenário brasileiro e também é uma das mais bem conceituadas. Para falar sobre os próximos passos da carreira musical e outros assuntos bastante pertinentes, o vocalista, Rodrigo Lima, concedeu uma entrevista especial para o Rock Pará.

Para você quais foram os momentos marcantes na carreira da banda?
Sempre que lançamos um trabalho novo é bem marcante. Me lembro muito do lançamento do Sonho Médio em 99 e do Zero em um em 2004. Um foi um passo a frente no que queríamos fazer definitivamente com a banda, e o segundo marcou nossa entrada na Deckdisc que foi um marco de mudança na administração interna da banda, musicalmente fez uma diferença também.

Com a saída do Nô, houve mudanças na nova sonoridade do Dead Fish? (Nota do Editor: o novo baterista é Marcão, que também toca no Ação Direta)
Ganhamos em tempo e rapidez. Vamos ver como sai o nosso próximo trabalho.


Vocês já tocaram duas vezes aqui em Belém. O que você poderia destacar dessa passagem por Belém? E o que vocês conhecem do Hardcore e do Rock Paraense?
É legal tocar aí, a cidade é bonitona as pessoas são mais calmas e simpáticas do que em outros lugares. Conheço pouco ou quase nada de hardocore daí, mais as coisas que Abunai lança – http://www.fotolog.com.br/abunai_recordss/ .

Mais sobre o Dead Fish, nos seguintes endereços: http://www.myspace.com/deadfishoficial e http://www.youtube.com/user/deadfishoficial

Você é um cara bastante politizado, isso fica bastante explícito nas letras. Qual é a sua análise sobre o cenário político brasileiro, já que estamos em ano eleitoral?
Se cairmos de novo nas mãos dos tucanos estamos fritos. O Governo Lula foi um governo bastante populista também, mas ele fez mais pra maioria do que todos os presidentes anteriores, até mais do que o Getúlio Vargas. Isso não quer dizer que eu ache tudo maravilhoso, longe disso. Ainda tem muita coisa pra ser feita nos próximos 100 anos, principalmente na área de educação/saúde e cultura. Não basta ser um país rico, temos que nos tornar civilizados. E ficar se embasando só em eleições também pode ser uma forma muito lenta de as coisas mudarem.