Fatalmente "Octoplugs

Fonte: http://destruidores-de-toquio.blogspot.com/2011/07/fatalmente-octoplugs.html

A banda Octoplugs da cidade de Peixe-Boi composta por Bárbara Lobato nos vocais, Flávio Rodrigues na guitarra, Leon Silva na bateria e Eder Lima no baixo, acabou de lançar seu mais novo EP Demo intitulado “Fatalmente”, Octoplugs é a primeira banda de Rock do município, Flávio (guitarrista da banda) nos falou um pouco sobre como é ter uma banda de Rock em um município com pouco mais de 7.000 habitantes e as expectativas pra este novo trabalho, confira:

-QUANDO E COMO COMEÇOU A BANDA?

A banda com esse nome e totalmente autoral começou exatamente quando acabou a banda Curto Circuito, em 2008. Até antão éramos uma banda de “cover”. Já tínhamos muitas musicas prontas, mas tínhamos que tocar apenas uma ou duas em nossos shows, foi ai que nasceu a necessidade de ter um show com músicas próprias e de mudar o nome, pois existia muitas bandas que se chamavam Curto Circuito.

– VOCÊS ENFRENTAM  ALGUMA DIFICULDADE PELO FATO DE SEREM UMA BANDA DE UM MUNICIPIO PEQUENO NO INTERIOR DO PARÁ?

Sim, Peixe-Boi, como a maioria das cidades do interior não favorece uma manifestação artística específica. Afinal, quem é que vai querer saber se em Peixe-Boi existe uma banda de Rock? Em certos momentos é preciso criar uma cena às três porradas pra que alguém note que algo acontece por aqui. Felizmente já existe um público aqui, muito pequeno, mas é melhor do que aquele bêbado que só tá ouvindo a gente porque não lembra o caminho de casa…rsrsrsrsr

– QUAL A ORIGEM E O QUE QUER DIZER O NOME “OCTOPLUGS”?

Bom, inicialmente a idéia era batizar de Octopus, uma singela homenagem ao Doutor Octopus, o inimigo clássico do Homem-Aranha…mas como se tratava de uma banda, resolvemos substituir o “pus” por “plugs”, e ficou assim, Octoplugs (oito plugs).

– QUAIS SUAS PRINCIPAIS APRESENTAÇÕES E AÇÕES?

Já tocamos algumas vezes no Ensaio Aberto, participamos de vários shows do Projeto Invasão Caipira, evento idealizado pela galera dos Destruidores de Tóquio, já estivemos nas seletivas do Se Rasgum (mas não passamos…rsrsrs). Aqui em Peixe-Boi organizamos o “Rock’no’Balde”, integrando bandas do interior e da capital, ajudamos na organização do Projeto Invasão Caipira Peixe-Boi e estamos tentando resgatar músicas do Compositor Piexeboiense Orlando do Carimbó com o Projeto Baladas de Carimbó, mas por enquanto é só o que dá pra dizer.

– FALE UM POUCO DE SUAS INPRESSÕES PESSOAIS  A RESPEITO DO EP COMO UM PRODUTO ARTISTICO.

Gostei de ter feito esse EP, porque resgata músicas esquecidas da Banda quando ainda se chamava Curto Circuito… Morte súbita foi pra primeira música composta, em meados de 2004, apenas fatalmente foi composta recentemente. Com essa nova formação estamos tentando encontrar nossa forma de compor e arranjar as músicas, mas para isso foi preciso exorcizar os demônios do passado, por isso optamos por gravar músicas engavetadas. No final o resultado foi satisfatório pra gente.

– COMO SE DEU O PROCESSO DE CRIAÇÃO E GRAVAÇÃO DO DISCO (CAPA, ARRANJOS, INSTRUMENTOS….)?

As músicas forma lapidadas nos shows mesmo… A Barbara conseguiu encontrar o seu jeito de interpretá-las, com saída o Albenízio, que fazia guitarra base, optamos por “sujar” um pouco as músicas, com distorções apresentáveis, para isso foi importante ajuda do nosso amigo Nazareno Glins (Destruidores de Tóquio) que nos foi apresentando as possibilidades. A capa do disco eu desenhei. Pensei em ser um rosto feminino em preto e branco, apenas os lábios em vermelho… de certa forma denota uma provocação…Você tem coragem de se arriscar sem medir as conseqüências? O titulo do disco Fatalmente é uma música que está escondida na quinta faixa e fala dessa provocação: “Fatalmente tudo vai se acabar…”
– O QUE MUDOU NA BANDA COM A SAIDA DO ALBENIZIO E A ENTRADA DA BARBARA. A SAIDA DO ALBENIZIO SE DEU NA PAZ? VC SE IMPORTARIA EM FALAR UM POUCO DESTE EPISÓDIO?
A mudança drástica foi a saída de uma voz masculina para a entrada de uma voz feminina. A Bárbara conseguiu dar sua cara às musicas e isso foi legal, ela também compõe o que ajuda no processo de criação da banda. O Albenizío já não tinha mais tempo pra banda, trabalhando fora com visitas esporádicas ele teve que sair, mas continua sendo um grande amigo meu e da banda, sua saída foi tranqüila, claro que no primeiro momento fica aquela pergunta: “- Estamos sem vocalista, o que vai ser daqui pra frente?” Mas a bárbara conseguiu substituir a altura.

– QUAIS OS PRÓXIMOS PASSOS DA “OCTOPLUGS”?

Já estamos com próximo EP no ponto para gravar…retomamos os ensaios e vamos tocar em mais um Invasão Caipira, que acontecerá aqui em Peixe-Boi…a idéia por enquanto é sair por ai tocando se divertindo, como sempre foi.
Clique na foto para baixar o EP:
Capa do EP