PROJETO INVASÃO CAIPIRA – CAPANEMA

O Projeto Invasão Caipira é uma ação que pretende promover a divulgação da música autoral produzida no Pará. A idéia é exibir, em shows musicais, o trabalho de artistas da cena independente da região, que encontram no projeto um local de acolhida e uma instância para promoção e exibição para o público da própria região.

A Invasão Caipira é o primeiro festival itinerante da região nordeste do Pará. A programação é delineada abrangendo grupos do interior, com espaço privilegiado para os músicos do Município anfitrião, mas também bandas da Capital, que se ressentem do espaço restrito para a divulgação de seu trabalho mesmo em Belém. A Invasão Caipira pretende ampliar esses espaços, na busca de consolidar um público regional para o trabalho de músicos de diversos gêneros.

Em 2010 o projeto passou pelas cidades de Peixe-Boi, Capanema, Pirabas e Quatipurú, foram várias bandas e artístas circulando pelo interior do estado, StereoScope – Belém, Destruidores de Tóquio – Capanema, Paralelo XI – Primavera, Albenízio Rui – Peixe-Boi, Marcio Sena – Castanhal, Canarinhos de Pirabas – Pirabas, Carimaré – Pirabas, Pirambolando – Pirabas, Octoplugs – Peixe-boi, Turbo- Belém, Grupo Timbiras- Capanema, Fuga de Emergência – Nova timboteua, Codex- Bragança, Ana Clara Matos – Belém.

Apostamos na diversidade da música autoral paraense, esse ano o projeto começou novamente pela cidade de Peixe-Boi abrindo espaço para duas bandas estreantes no circuito, são as bandas Sub-Off e Classe B, ambas do município de Capanema cidade esta que sediará a segunda edição no dia 20 de Agosto, a partir das 20 horas, a novidade é que a partir desta segunda edição de 2011 estamos abrindo inscrições pelo site Toque no Brasil, ampliando as possibilidades para artistas de outras regiões do estado que não teriam acesso ao projeto e também abrindo espaço a artistas de outros estados. Em Capanema optamos por realizar o projeto na periferia da cidade, no bairro da Caixa d’água onde fica Espaço Cultural Canto do Curupira.

Foi mais de 10 dias de inscrições, 104 bandas inscritas e após muito trabalho as escolhidas para compor o Line-UP do Projeto Invasão Caipira Capanema foram: Dharma Burns, Monovox, Tecnotrash, Doce Bárbara, Sub-Off e Classe “B”, estão previstos shows do projeto para cidades de São João de Pirabas, Salinas, Tucuruí e Bragança. Os ingressos em Capanema custarão 5 reais e já estão disponíveis.

 

Abunai Produções: Garage Fuzz pela primeira vez em Belém (14/08 – Domingão)

Nem punk, nem hardcore ou qualquer outro subgênero das prateleiras das lojas de discos. Respeito, talvez, seja a melhor termo para definir o som dos santistas do Garage Fuzz. Formada em 1991, o quinteto completa exatos 20 anos de carreira, com uma bagagem alcançada por poucas bandas no cenário independente nacional. Muitos são categóricos em afirma que o Garage Fuzz faz parte de uma ‘elite’, não por executar excepcionalmente o seu som, mas sim por nunca ter formado um grande publico, porém este, seleto dos bons apreciadores do estilo.

Não a toa que Jello Biafra – ex-vocalista do Dead Kennedys, uma das bandas precursoras da história do punk-rock mundial – se encheu de elogios para falar do Garage Fuzz em 2001, quando assistiu a uma apresentação da banda. A repercussão no Jornal Estado de São Paulo e na Folha de São Paulo serviu de trampolim na divulgação da banda por todo Brasil.

Também pondera, Biafra ouviu as músicas soberbas do debut-album “Relax In Your Favourite Chair”, marcante não apenas para a história do hardcore nacional, mas para a música underground brasileira. O que ninguém imaginava é que quatro anos mais tarde, mesmo já até tendo lançado um DVD ao vivo (“3500 Days Alive”), os santistas conseguiram, mais uma vez, se superar. O cd “The Morning Walk” foi simplesmente considerado o melhor álbum de 2005 por vários sites especializados.

Mas, a carreira do Garage Fuzz foi assim mesmo ao longo dos cinco CDs lançados, inúmeros splits, DVDs e turnês (alguma dessas dividindo o palco com bandas internacionais como Sick of it All, Shelter, Fugazi e Lag Wagon): inteiramente marcado por louvores. Cada novo álbum a evolução musical era presente. Sempre fugindo de clichês tão em voga, o GF faz músicas que são, literalmente, a sua cara. Nada além e sem comparações do tipo “parece com”. É Garage Fuzz do começo ao fim e ponto final. Nas duas décadas de existência, passou a ser ridículo achar que o Garage Fuzz não faria um Cd melhor do que outro: os trabalhos de guitarras tão admirados por todos, a cozinha certeira e marcante e, claro, o vocal/letras característicos de Alexandre Farofa. Adjetivar o GF é até mesmo banal.

No dia 14 de agosto, pela primeira vez, Alexandre (Vocal), Fernando (Guitarra), Wagner (Guitarra), Fabrício (Baixo) e Daniel (Bateria), pisarão em terras Amazônicas para executar o mesmo show que Jello Biafra teve o privilégio de ver. A diferença é que, dessa vez, em um tour em comemoração a 20 anos de estrada. O bordão de abertura dos shows do Garage Fuzz nunca soará tão forte: “Agora tá valendo!”.

GARAGE FUZZ (SP) “TOUR NORTE – 20 ANOS”

+ SEQUELAS (http://www.myspace.com/seq?uelashc)
+ MACHETE (Lançamento do split “Seven Steps To Hell” – http://www.myspace.com/juv?entudexperdida)
+ NO FOUND (http://www.myspace.com/nof?oundhardcore)

DATA: 14/08/11 (Domingo)
LOCAL: Memorial dos Povos (Av. Governador José Malcher, 257).
HORA: 18:00
PONTO DE VENDA: Loja ForFun Streetshop – Trav. São Pedro, 656. Fone: (91) 3223-0042 (atrás do Shopping Pátio Belém).
Com os integrantes das bandas de abertura: 8394-9342 (Roger, No Found)/ 8885-2045 (Wood,
Machete) e 8169-8585 (Marquinhos, Sequelas )

INFORMAÇÕES: (91) 9183-8883/8292-9822

WWW.ABUNAIPRODUCOES.COM.BR

Entrevista Especial direto do Japão com Marcelo Shiozaki (ex-guitarrista da clássica banda DNA e agora tatuador)

Marcelo Shiozaki foi guitarrista de uma das mais importantes do Heavy Metal paraense, DNA (Diversion, Noise and Adrenaline). Agora, ele é um dos renomados tatuadores do Japão. Shiozaki conta vários momentos interessantes na carreira, nessa entrevista.

Quando começaste a se interessar por Rock’n’Roll?

Cara, tinha 13/14 anos, meu pai comprou um 3 em um, daqueles da Sony!! Comecei, acredite ou não, com “I love rock’n’roll”, da Joan Jett!! Fiquei vidrado nas distorções. Depois, acredite, Gary Gliitter!! Aí veio Creedence, Beatles e Rolling Stones. E depois, Deep Purple e Led Zeppelin. O Led foi sempre minha referência, meu álbum preferido?? Phisical Graffite, meu primeiro LP do Led!!

Como foram as primeiras experiências como músico de Rock’n’Roll e Heavy Metal? E quais foram os melhores momentos?

 

Cara, meu pai sempre me deu apoio pra tudo: estudos, música, etc!! O Carlos Ruffeil, do Jolly joker, me ensinou muito! Ganhei minha primeira guita, Les Paul Giannini, do meu pai. Comprei com o Carlos, dos Panteras, não sei se você conhece. Com certeza, os ensaios em casa, na granja do meu pai, foram os melhores momentos. Ninguém sabia tocar legal. Bebíamos muito e era mais pra encontrar e curtir o som. O único que tocava mais era o Carlos Ruffeil, mesmo!

 

Em relação ao DNA. Quais foram os momentos mais interessantes? Como começou a banda? E quais são os planos para a banda daqui para a frente?

Formamos o Genocide, com o lendário PP no baixo, Mauro batera, Eu e o Antônio Coelho nas guitars. O Antonio toca muito hoje (dá um olho no youtube). Depois veio o Mauro Gordo e o Alexandre Ribeiro. Muitas mudanças. Então, conhecemos o Fernando Souza Filho, da Rock Brigade. Ele teve a ideia de colocar o nome DNA, que seria Diversion, Noise and Adrenaline, ou ácido desoxirribonucleico, acho que é isso, eheh. Então, montamos essa banda com essa formação: PP no baixo, Eu na Guitarra, Fernando nos vocais e na época encontramos o Beto Doido, que foi do Placton. Gravamos nossa primeira demo com essa formação. Pintou alguns shows importantes, tipo, Dorsal Atlântica em Belém e Avalon e Megahetz no Piauí!! Com certeza, a viagem ao Piauí foi muito marcante! Muita diversão rolou!! Ah, teve a Flamea, que não esqueço até hojej. Teve um lance por lá, que encontrei uma garrafa de vodka no carro que estavámos. O Beto logo deu a ideia de secar!! Putz, era da Flamea!! Ficaram p da vida, mas, no fim, acabamos bebendo juntos!! Muito legal aquelas minas!!

Vocês já pensaram em voltar com a banda?

Como fala o Alexandre, nosso tempo passou. Acho que só revival e alguns shows. Mas, talvez, nada de composições novas. O Sid KC está bem ocupado agora. O Dey (baterista) não está em Belém. Quem pega as baquetas e o Mauro Gordo, que e o que mais incentiva pra voltarmos.

 

Você já passou um bom tempo no Japão. O que andaste fazendo? E quais são os planos daqui para frente?

Trabalhando muito!! Trabalho normal. Aprendi a tatuar e estudei muito essa arte por aqui! E daqui pra frente, só quero voltar ao Brasil, falar minha língua e curtir e desenvolver meu trabalho de tattoos por ai! Fiquei um ano ralando no estúdio e dividindo trabalho e estudos de tatuagem. Realmente me encontrei. Espero que no Brasil a tattoo seja tao valorizada quanto aqui.

 



Lançamento do Festival do Coletivo Megafônica

Fonte: http://megafonica.blogspot.com/2011/07/lancamento-do-festival-megafonica-2011.html

 

Após o sucesso do primeiro festival realizado pelo coletivo Megafônica em 2010, a equipe já se reúne pra encaminhar a realização da segunda edição do Festival, que promete não perder o espírito rock’n’roll que levou pelo menos 500 pessoas ao evento no ano passado.

E nesse sentido, o segundo semestre da equipe vai ser totalmente focado no Festival, que já vem com seu aquecimento super inspirado: o Megafônica trás à Belém pela terceira vez, a banda brasiliense Brown-Há, que fez um dos melhores shows no festival em 2010, e que também esteve por aqui no Grito Rock do mesmo ano.

Na estrada desde 2005 e com um EP de seis faixas na bagagem e recentemente com 3 músicas lançadas virtualmente, a banda coleciona apresentações em grandes festivais e não se limita às fronteiras brasilienses. Conta em seu histórico com apresentações em cidades como Goiânia/GO, Anápolis/GO, São Paulo/SP, Rio de Janeiro/RJ Uberaba/MG, Uberlândia/MG, Cuiabá/MT, Campo Grande/MS, Macapá/AP, Belém, Mazagão/AP, Natal/RN, Recife/PE, João Pessoa/PB, Novo Hamburgo/RS e Belo Horizonte/MG, entre outras, passando por 12 estados em um mesmo ano e cobrindo todas as regiões do país, além de 2 Turnês pelo NE e 1 por MG, sempre se destacando pela energia e competência no palco. Embalados por influências que vão do rock britânico atual ao rock setentista que marcou época, o lema do quinteto é só um: Viva o Rock’n Roll. Aliando diversão a profissionalismo, o Brown-há tem mostrado porque é uma das grandes promessas da cena brasiliense atual.

Ainda completando o line up do Lançamento do Festival, uma grande surpresa: a volta da banda Aerolito, depois de um hiato de pelo menos 3 anos, devido a ida do guitarrista e backing vocal Luis Sick pra São Paulo, com a banda Hope. De volta à Cidade das Mangueiras, a volta da banda se tornou inevitável, e promete uma grande noite de rock’n’roll no Studio Pub.

Também farão parte da festa os Djs Tusa (Megafônica) e Thiago Oliveira (Pogobol), dando uma pitada alternativa ao rock’n’roll das bandas convidadas, e colocando todo mundo pra dançar.

A festa de lançamento do Festival Megafônica acontece na sexta-feira, 12 de agosto, no Studio Pub, a partir das 22h. Ingressos até 23h R$15,00, depois disso R$20,00.

O aquecimento pra essa noite acontece na Livraria Saraiva do shopping Boulevard, com a banda Brown-Há fazendo um pocket show acústico com bate papo, a partir das 18hs.

Serviço:

Lançamento Festival Megafônica 2011

Bandas: Brown-Há (DF) e Aerolito

Djs: Tusa (Megafônica) e Thiago Oliveira (Pogobol)

Local: Studio Pub

Dia: 12 de agosto (sexta-feira)

Ingressos: R$15,00 (até 23h) e R$20,00 (depois de 23h)

 

 

 

 

Garage Fuzz pela primeira vez em Belém

GARAGE FUZZ (SP) “TOUR NORTE – 20 ANOS”

+ SEQUELAS
MACHETE (Lançamento do split “Seven Steps To Hell”)
+ NO FOUND

DATA: 14/08/11
LOCAL: Memorial dos Povos (Av. Governador José Malcher, 257). HORA: 18:00
PONTO DE VENDA: Loja ForFun – Trav. São Pedro, 656. Fone: (91) 3223-0042 (atrás do Shopping Pátio Belém).
Com os integrantes das bandas de abertura.

INFORMAÇÕES: (91) 9183-8883